Publicada em: 15 de agosto de 2016

Expositores e ginetes projetam disputa acirrada no Freio de Ouro

FU9_D810-2210x5_70

Mais uma vez a pista do cavalo Crioulo no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS), deve registrar grandes emoções para a final do Freio de Ouro, que ocorre de 24 a 28 de agosto. Ainda antes da abertura dos portões para a trigésima-nona edição da Expointer, os conjuntos classificados já estarão disputando o maior título da raça Crioula.

Depois de dezenas de credenciadoras e dez classificatórias, os expositores estão se preparando para a grande decisão. A Estância Vendramin, de Palmeira (PR), foi a que mais classificou animais para a final, com um total de cinco conjuntos. Entre eles está a fêmea Guria Bragada 181 da Vendramin, vencedora do Bocal de Ouro deste ano. A expectativa é chegar forte e repetir o feito de 2013, quando foram campeões do ciclo com a celebrada Oraca do Itapororó.

De acordo com o proprietário da Vendramin, Aldo Vendramin, o maior número de animais classificados para a final é o resultado de um projeto. “Esse trabalho veio de um planejamento de algum tempo. Para se ter uma ideia já temos um planejamento para 2017 e 2018. Não somos só criadores, somos selecionadores e aprendemos na prática acasalando linhagens que deram certo e este é o caminho a ser seguido”, salienta.

O criador ressalta que está confiante na participação deste ano e acredita no título, mas avalia que a decisão será acirrada pelo nível de crescimento dos animais da raça. “Somos muito competitivos. Nosso objetivo é participar com bastante confiança, vamos com animais bem preparados e acreditamos que estamos no páreo. O importante é torcer para a raça, pois a raça merece o melhor. Esperamos um bom espetáculo para mostrar o valor do cavalo Crioulo”, observa.

Entre os ginetes, Daniel Teixeira bateu todos os recordes na temporada e vai para a final com nada menos do que 13 animais. A conquista, segundo o treinador, se deu graças ao conjunto de profissionais que levaram a este resultado. “Isso se deve ao trabalho de uma equipe muito boa, do veterinário ao ferreiro, onde todo mundo pega junto e não tem hora e não tem dia que o pessoal não esteja à disposição. O apoio da família também vem sendo fundamental”, revela.

Para Teixeira, todo ano é percebida a evolução de treinamento dos cavalos e da dedicação dos proprietários para o Freio de Ouro, o que contribui com o crescimento da modalidade. Sobre a final, o ginete acredita que será uma competição acirrada. “Este ano temos cavalos comentados, mas não temos favoritos. A disputa está aberta tanto para machos quanto para fêmeas, pois temos muitos animais com qualidade”, ressalta.

O circuito do Freio de Ouro, que neste ano chega a sua trigésima-quinta edição, conta com o patrocínio de Ipiranga, Massey Ferguson, Ford e com o apoio da Supra. A organização do evento é da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC).

Foto: Felipe Ulbrich/ABCCC/Divulgação
Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective